quinta-feira, 28 de fevereiro de 2013

O Fenómeno Humano


O FENÓMENO HUMANO
Pierre Teilhard de Chardin
(escrito entre 1938 e 1940, sofreu "retoques" em 1947 e 1948)

Editora Herder – São Paulo
Filosofia e Religião (16º Volume) – Biblioteca fundada por Leonardo Coimbra
Livraria Tavares Martins, Porto – 1970 (3ª Edição)
Título Original: LE PHÉNOMENE HUMAIN  (Éditions du Seuil, Paris)
Tradução portuguesa de LÉON BOURDON (Professor) e JOSÉ TERRA (Leitor), do Instituto de
                                                                                Estudos Portugueses da Sorbonne

Os direitos em língua Portuguesa pertencem à Livraria Tavares Martins, Porto – Portugal



Extracto do RESUMO OU POSFÁCIO


1. UM MUNDO QUE SE ENROLA: OU A LEI CÓSMICA DE
COMPLEXIDADE-CONSCIÊNCIA

            Temo-nos familiarizado ultimamente, na escola dos astrónomos, com a ideia de um Universo que, desde há alguns biliões de anos (apenas!), teria vindo desabrochando em galáxias a partir de uma espécie de átomo primordial. Esta perspectiva de um mundo em estado de explosão é ainda discutida: mas a nenhum físico ocorreria a ideia de a rejeitar como eivada de filosofia ou de finalismo. Não é mau ter sob os olhos este exemplo para compreender ao mesmo tempo o alcance, os limites e a perfeita legitimidade científica das concepções que aqui proponho. Reduzido, com efeito, ao seu cerne mais puro, a substância das longas páginas que precedem reduzem inteiramente a esta simples afirmação, que, se o Universo nos aparece sideralmente como em vias de expansão espacial (do ínfimo ao imenso), do mesmo modo, e ainda mais claramente, ele se nos apresenta, físico-químicamente, como em vias de enrolamento orgânico sobre si próprio (do muito simples ao extremamente complicado) – achando-se este enrolamento particular «de complexidade» experimentalmente ligado a um aumento correlativo de interiorização, quer dizer de psique ou consciência.
            No domínio exíguo do nosso planeta (o único até agora em que podemos praticar a Biologia), a relação estrutural aqui notada entre complexidade e consciência é experimentalmente incontestável, e desde sempre conhecida. O que confere originalidade à posição adoptada neste livro é o facto de nele se afirmar, desde início, que esta propriedade particular que possuem as substâncias terrestres de cada vez mais se vitalizarem complicando-se cada vez mais não é senão a manifestação e a expressão local de uma deriva tão universal (e excepcionalmente significativa) como aquelas, já identificadas pela Ciência, que levam as camadas cósmicas não só a alastrarem explosivamente como uma onda, mas também a condensarem-se corpuscularmente sob as formas do electromagnetismo e da gravidade, ou ainda a desmaterializarem-se por irradiação: achando-se provavelmente estas diversas derivas (um dia o reconheceremos) estritamente conjugadas entre si.
            Se assim é, vê-se que a consciência, definida experimentalmente como efeito específico da complexidade organizada, ultrapassa muito o intervalo , ridiculamente pequeno, em que os nossos olhos conseguem distingui-la directamente.
            Por um lado, com efeito, mesmo onde valores quer muito pequenos, quer até médios,  de complexidade no-la tornam estritamente imperceptível (quer dizer, a partir e abaixo das muito grandes moléculas), somos logicamente levados a conjecturar em qualquer corpúsculo a existência rudimentar (no estado de infinitamente pequeno, isto é, infinitamente difuso) de alguma psique – exactamente como o físico admite e poderia calcular as alterações de massa (completamente inapreensíveis para uma experiência directa) que se produzem no caso de movimentos lentos.
            Por outro lado, precisamente nos pontos do Mundo onde, em consequência de circunstâncias físicas diversas (temperatura, gravidade…), a complexidade não chega a atingir os valores ao nível dos quais uma irradiação de consciência poderia influenciar os nossos olhos, somos induzidos a pensar que, tornando-se favoráveis as condições, o enrolamento, momentaneamente detido, retomaria logo a sua marcha para a frente.
            Observando, insisto, segundo o seu eixo das Complexidades, o Universo encontra-se, no conjunto e em cada um dos seus pontos, em estado de tensão contínua de dobramento orgânico sobre si mesmo e, portanto, de interiorização. O que significa que, para a Ciência, a Vida se acha desde sempre e por toda a parte em estado de pressão; e que, nos sítios em que conseguiu romper de modo apreciável, nada a pode impedir de levar até ao máximo o processo de que saiu.
           

quarta-feira, 27 de fevereiro de 2013

Correio Electrónico 9


Fwd: Fila de espera: ALENTEJO: Repartição de Finanças de Redondo


                                             Demais!!!!! Pura Inteligência. Para quê estar de pé?

Mensagem de P.D
 


terça-feira, 26 de fevereiro de 2013

En passant


Uma gaja, pá, quando não sabe fazer nada, pá, ainda pode dar para enfeitar. Um gajo, pá, um gajo? Quando um gajo não sabe fazer nada, pá, deus me libre…

segunda-feira, 25 de fevereiro de 2013

O Estado da Nação

1948



 

                                                                                                                ... 57 Pág.


 

quinta-feira, 21 de fevereiro de 2013

Condessa de Edla




                                        Elise Hensler, Condessa de Edla (22/05/1836 – 21/05/1929)
                                        Segunda mulher do Rei D. Fernando II

quarta-feira, 20 de fevereiro de 2013

Carne Picada


Cartoon da Revista VISÃO - Para uma Nova Banda Desenhada Portuguesa
N.º 2 - 15 de Abril de 1975
Assinado por Victor Mesquita



(Confesso que dei por mim a pensar que se trata de um cartoon claramente datado. Desenhado há meia dúzia  de anos, representações vagamente femininas estariam em número aproximadamente igual ao de masculinas, desenhado nos dias que  correm haveria obrigatoriamente um ou outro cavalo entre as pessoas...)

 

terça-feira, 19 de fevereiro de 2013

Miguel Relvas


Miguel Relvas é um homem odiado!
O que vem a seguir é para pôr na minha conta, por favor:
          - No que toca a Relvas, nem é um problema de auto-estima; o que se passa, é que uma parte dos portugueses, quando se olha ao espelho, ou não gosta, ou não se lembra, ou não compreende o que vê.
          No início dos nossos tempos, um Homem, que nasceu, e morreu porque, e por quê, e como quis, protagonizou uma cena onde teve a oportunidade de mandar atirar a primeira pedra, a quem atirava pedras por muito menos e “seria abençoado por isso”.
          Temos um problema na memória, no espelho, na auto-estima, na cara, na educação, na herança, na identificação dos problemas, no tempo de a fazer, nas pedras que agarramos, nos alvos que escolhemos; temos um problema com os espelhos partidos – dá azar!

segunda-feira, 18 de fevereiro de 2013

domingo, 17 de fevereiro de 2013

Carta de Godofredo


Caro Márcio, manda a verdade que diga que o principal motivo porque te escrevo, é certificar-me da tua saúde e render-me à tua inteligência e compreensão da condição humana. Gostarás, com toda a certeza, de saber que recuperei a serenidade que me era natural.
          Da última vez que estivemos juntos, eram os dias curtos, valeu-nos aos dois o fogo sempre aceso, e a mim, também a tua paciência; não foi em vão.
          A paixão que me matava, que deixei crescer até que me fizesse mal, foi um tempo apesar de tudo feliz, que não posso desprezar, só isso. Estou curado. Ontem estive com o juiz, deixei-me ficar na posição de pretendente rejeitado, reiterei o meu respeito por Laura, garanti-lhe a pureza da minha dedicação, e ficou tudo bem. Sou um homem livre e desconfio que por pouco tempo; há males que vêm por bem - Amália!
          Amália voltou. Está bonita, está ainda mais bonita. A primeira pessoa que visitou assim que chegou, fui eu. Deparei-me com ela na sala de espera do gabinete quando voltava de casa do juiz. Ter resolvido com o juiz, a desastrosa e impossível relação com a filha, foi libertador e refrescante; ver Amália de pé, muito sorridente, airosa e perfumada, linda, decote rendado e braços estendidos para mim, levou-me à idade do despertar, senti ruborescer e renasci.
          Tenho que te fazer justiça. Fui tolo. Aproveitei a tua disponibilidade para ouvir e desabafei o que precisava. Não te ouvi, ou nem te dei oportunidade de falar. Sei o que me terias dito se tivesses encontrado em mim a razoabilidade de ouvir um bom e sábio amigo. Tinha criado uma imagem interior que não correspondia àquela a quem dirigi toda a paixão. Laura não tem culpa; é uma mulher menina, tem a pureza da inocência que nunca ultrapassou. O viço da juventude no corpo de mulher, despertou-me o sangue e toldou-me a razão. Lembro-me de me teres dito, só mais tarde compreendi onde querias chegar, que uma mulher, como um homem, não pode espraiar a existência num contínuo das idades tenras; num momento, haveria que acontecer uma ruptura, uma estaladela no cristal, uma fímbria no plano, uma reverberação nas superfícies da percepção, um nó na linha de costura…um sopro…, que faltava algo a Laurinha. Lembro-me de teres terminado essa prelecção dizendo que eu merecia uma mulher valente.
          Hoje de manhã incumbi o padre Feliciano da celebração de uma missa por intenções pessoais, minhas. O padre olhou-me por cima dos óculos e agarrando firmemente a minha mão, perguntou-me: - Têm as tuas intenções a dignidade do sacramento? – Ao que eu retorqui: - Veio Cristo à terra por outra coisa que não os homens, padre? – Não o deixei responder; disse-lhe que estou de bem com o Pai e convidei-o para o jantar que darei hoje lá em casa, em que terei Amália do meu lado direito, o padre do lado esquerdo, os Fão, os Sobral, e a ti meu amigo, no coração.
          Manda notícias, e visita-me logo que puderes. O branco, reserva de há três anos, só o provo contigo

                   Um grande abraço,

                                                   Godofredo
 

sexta-feira, 15 de fevereiro de 2013

quinta-feira, 14 de fevereiro de 2013

Thomas Tallis - If Ye Love Me


  
           Thomas Tallis (1505 - 1585)


A não perder




          Francisco José Viegas além do mais, também é blogger. O blogue dele é A Origem das Espécies“ e é um dos que mais gosto, por isso está entre “os que sento à minha direita”. Hoje, dia 14 de Fevereiro, FJV publica nesse seu espaço um texto intitulado “No Estado, o absurdo não paga imposto?” – Não percam.

quarta-feira, 13 de fevereiro de 2013

Conúbio




Matrimónio, aliança, núpcias, bodas, ligação, conjúgio, enlace, união, parceria, tálamo, nó, corporação, casamento, himeneu ou … consórcio!

quarta-feira, 6 de fevereiro de 2013

Perdidos



          Não foi por falta de aviso sobre os perigos de viajar no tempo. Fui-me aventurando, de cada vez um pouco mais longe, agora estou no século XI com um portátil debaixo do braço e uma câmara fotográfica, com uma teleobjectiva, ao pescoço. É uma situação desconfortável porque não me sinto nada discreto, e não estou habituado a dar nas vistas.
          Nunca devia ter centrado toda a atenção em não me encontrar comigo próprio, agora estou perante mim, porque só eu me digo respeito neste mundo, e nem é assim tão difícil. Senti algum pânico ao início, mas agora estou mais interessado em ver se terei ligação wi-fi e se os registos digitais resistem aos “buracos de verme”.
          Ainda ontem (ou dez séculos à frente), pensava eu que nunca deveria viajar por perto para evitar encontrar-me, ou encontrar quem pudesse vir a reconhecer-me como uma imagem do passado. O tempo de uma vida, para a frente ou para trás, provocaria em qualquer caso, mais tarde ou mais cedo, a impressão em quem me visse e conhecesse, que estava a ver coisas passadas. Eu explico: Se os meus avós se tivessem encontrado comigo em 1928, assim que eu adquiri feições de adulto teriam a sensação de me conhecer dos tempos da juventude. Se as crianças que me conhecem no meu tempo, me encontrarem com o aspecto de quarentão quando já forem velhos, terão a sensação que conheceram, em tempos, alguém muito parecido. Incomoda-me a possibilidade de me transformar num déjà-vu, quanto a encontrar-me comigo próprio penso que nos saberíamos comportar.
          Exagerei, é óbvio. Arrisco-me a encontrar uma horda de muçulmanos, que lhes direi? Agradeço-lhes os benditos números de 1 a 9 e deixo-lhes a profecia mais certa que já conheceram… Compreendam a minha situação, vim parar a um mundo onde, para mim, está tudo a começar; o que não é tão diferente assim do mundo donde venho, onde está tudo por fazer.
          Pode parecer estranho, tenho acesso à rede, sem fios, o telemóvel também funciona; nada disso me espanta muito. É uma questão de realidades paralelas, ou de ciclos que volteiam concêntricos. Fiz de forma estouvada aquele gesto que me arremessa no tempo, agora só tenho de compreender onde o aprendi e como moderar os ímpetos. Enquanto aqui estiver, estou seguro. Já antes estive no futuro, o que me garante que lá chegarei, porque já lá estive.

JMP

Continua (?)