sexta-feira, 28 de dezembro de 2012

O LIVRO DAS IGREJAS ABANDONADAS




---*---


               A MANCHA PRETA

       Os mineiros de carvão tinham feito uma cabana que lhes servia de igreja. Pilhas de lenha formavam as paredes e cobria tudo um telheiro de ramadas.
       O padre vinha dizer missa no dia da assunção e quase sempre estavam agachados lá dentro porque fora já chovia e a água fazia tremer as folhas do bosque.
       No mês de Outubro de mil novecentos e cinquenta, uma noite um raio atingiu em cheio a igreja queimando tudo.
       Agora a gente do vale vem cá acima rezar ao pé da mancha preta de cinzas e, quando levanta os olhos, vê ali à frente por um momento a cabana em pé, e o raio ainda não caiu.
 
---*---
 
O Livro das Igrejas Abandonadas
(Il libro delle chiese abbandonate) - 1988
Tonino Guerra (16/3/1920 - 21/3/2012)
Edição: ASSÍRIO & ALVIM
             (Gato Maltês/31)



quinta-feira, 27 de dezembro de 2012

Natal 4



No Natal celebra-se Jesus.
Quando se perde a ligação ao tema, qualquer tema, é-se levado numa trajectória que lhe é tangente, para fora, diverge-se portanto, e sai-se.
Um exemplo de deriva e perda no vazio, é uma hipopótama gorda a dançar rap em malhas.
Outro exemplo, é um velhote vestido com as cores de uma marca de refrigerantes, a atormentar as crianças de todo o mundo com sonhos que nunca serão satisfeitos.
Jesus não libertou só os crentes; trouxe o Amor entre os Homens como mensagem e como caminho e esse Amor serve a todos, mesmo aos que não têm amor para dar.
Subtraído Jesus da equação, voltamos todos à terra ocupada, a abrir a porta ao cobrador de impostos odiado e a sangrar cordeiros no templo de um Herodes qualquer.

quinta-feira, 20 de dezembro de 2012

Negativos!



     Saqueta de negativos 6x9cm de meados do Séc. XX.
     Os negativos eram entregues ao cliente juntamente com as fotografias. Geralmente eram guardados e não voltavam a ser vistos, mas a necessidade de replicar fotos para oferecer, por ex., fazia com que voltassem ao laboratório para serem projectados sobre papel sensível, em câmara escura, dando origem a novas fotografias. A passagem de negativo a positivo é em si um processo fotográfico, onde se pode refazer o enquadramento, dar mais ou menos exposição, usar papel brilhante ou mate, com mais ou menos grão, etc.
      Pelo actual processo de fotografia digital, as fotografias antes de impressas em papel, residem num suporte de dados. A maior parte das pessoas não tem, nem entre as suas mais leves preocupações, a conservação dos ficheiros informáticos. Apesar de nunca ter sido tão fácil fotografar como na actualidade, em que qualquer telemóvel tem uma câmara fotográfica, é possível que uma grande parte das fotografias que se fazem, não perdurem por mais de meia dúzia de anos; é pena!

quarta-feira, 12 de dezembro de 2012

Na estação de Novelas



          É uma daquelas fotos que anda no álbum de família, mas que, de família, só teve quem estava por trás da lente. Agora, são pessoas sem nome, e imaginei que tenha sido tirada na estação de Novelas, pertinho de Penafiel. No tempo que os comboios apitavam, com o vento a favor, ouviam-se em Freamunde.

segunda-feira, 10 de dezembro de 2012

Quantos são?



… não passou para sete, não passou para oito, não não, também não passou para nove; nem para nove nem para dez! Também não passou para onze.
Está em doooooozeeee!
Está em doze meus senhores, são dooooozeee e são o-bri-ga-tóóó-rios; é pró menino e prá menina, são dozeeeeee, é obrigatório…
... não os tem? Oh meu senhor, que idade tem? … vamos-lhe arranjar qualquer coisinha… cheguem à frente, quem manda pode, e diz que são doze!
Se não tem os doze, não vai poder receber aquele subsídio que foi cortado a semana passada, e como é que vai arranjar emprego?
Como é que vai arranjar emprego?

Assim como assim é sempre bom saber ler, e escrever qualquer coisita.
Ao fim dos doze, estão uns homens, e umas mulheres!
...


 

terça-feira, 4 de dezembro de 2012

Processo Revolucionário Em Curso


               Pensamento
               Que a Revolução
               Provoca,

               O Povo
               É um ovo
               Que a Liberdade
                                 choca!

                                  Poema de Mário  Martins


                                        Poster de Victor Mesquita
 
Revista: VISÃO - Para uma Nova Banda Desenhada Portuguesa
N.º 1, de 1 de Abril de 1975


segunda-feira, 3 de dezembro de 2012

Humano Ressonante Amarelo

      
          Não fora o despacho do ministério da educação, eu não teria perdido mais tempo com isto. Mordido o isco, dei por mim kin 72, Humano Ressonante Amarelo, portanto. Era a minha assinatura galáctica, o meu kin. Não pude deixar de consultar o Oráculo da Quinta Força, visitar a Família Terrestre, confrontar-me com a Onda Encantada 6 do Enlaçador de Mundos Branco, no Ano Tormenta Espectral Azul - Lua Harmónica do Pavão, e Tzolkin.
          Estou em baixo, vê-se, efeitos do poder antípoda com certeza, kin 202, Vento Ressonante Branco, e do poder oculto, kin 189, Lua Ressonante Vermelha.
          Esqueçam os meus devaneios e passem pelo Blogue MALOMIL - Um País de Ursinhos
          Aproveitem e calculem o vosso kin.

quarta-feira, 28 de novembro de 2012

Wassabi...


Desabafo de Édipo



       ÉDIPO A 451º FAHRENHEIT

            Já lá vão uns vinte anos.
            O meu pai só me dava o dinheiro dos transportes para o Liceu. Quando chovia. Porque o Liceu ficava a três quilómetros de casa e se o tempo estava bom ou assim-assim, eu ia a pé.
             Claro que quando chovia, também ia.. o dinheiro para o eléctrico tinha outras perspectivas mais úteis de investimento, na minha maneira de ver as coisas.
            Não vou agora explicar o meu pai. Há coisas mais importantes que quero contar. Mas era assim. Arrumava-me a pasta, fazia de explicador obrigatório e até de barbeiro.
            Tinha uma mãe que estava casada com ele há mais de vinte anos e portanto já não era gente, e uma avó.
            A avó era uma mulher das arábias. Aos noventa anos foi a atropelada por um jipe e, após um mês de hospital, já saía novamente sozinha para onde lhe apetecia.
            A casa da avó ficava a dois quilómetros da casa dos meus pais, a acreditar nas revelações da agrimensura. Na realidade, vivia noutro mundo.
            O Pátio da Cabrinha ainda existe mas já não é o que era. Nesses tempos ainda não havia a ponte. Nem a Avenida de Ceuta. Estava separada da cidade por um deserto limitado por aquele incrível caminho de ferro que atravessa Alcântara.
            A casa ficava num bloco magnífico. Uma série de casas iguais que trepavam por uma bruta rocha, com filas de celhas de lavar a roupa na base e montes de escadinhas de cimento a dar acesso.
            A minha avó morava numas águas furtadas, no cimo da rocha. E eu vinha da cidade, passava a linha de comboio, atravessava o deserto que separava o mundo dela do meu, subia uma escadaria de cimento – trinta e dois degraus por onde em miúdo caíra aos rebolões – e chegava à base da rocha habitada depois de contornar poças de água cinzento-espumaçada das celhas. Subia quatro lanços de madeira carcomida e chegava lá acima.
            As visitas eram egoístas. A avó enfiava-me sempre dinheiro nas algibeiras quando saía e filhoses ou bolos caseiros quando chegava. E com a minha avó morava um primo.
            Esse primo era o orgulho e a desconfiança da família. Alto, elegante e simpático. Agente técnico de electricidade, o que representava o top intelectual da família. E solteiro!
            Não mostrava interesse em casar e tinha livros. Passava o tempo a ler.
            E, Deus seja louvado, emprestava-me livros.
            Foi assim que, aos dez anos, me iniciei na ficção científica.
            Descia as escadas com filhós no estômago, dinheiro nas algibeiras e três ou quatro livros mágicos debaixo do braço.
            Ao chegar ao deserto, começava a andar e a ler.
            Naquela terra de ninguém, não chocava nada à concepção que tinha do mundo nessa altura, começar a ler um livro editado por cães que discutiam a hipótese duma anterior civilização lendária dum ser chamado homem. Ou entrar no século vinte e seis e acompanhar um magnate que planeia um crime numa sociedade em que os políticos são telepatas.
             Só houve um livro que me chocou. Foi quando travei conhecimento com o bombeiro Montag que andava a queimar livros proibidos por excesso de imaginação. Com essa é que o Ray Bradbury me abalou. Uma sociedade onde a lei impunha à população o mesmo que o meu pai a mim. Onde era proibido Nosperatu, O Pai Natal, a Morte Vermelha, Ambrose Bierce e Walt Disney.
             «451.º Fahrenheit – a temperatura a que o livro arde e se consome».
             A ideia criou-me um choque e uma angústia só comparável quando, aos seis anos, ouvira na rádio a adaptação do capuchinho vermelho.
             Não me importava nada de viver num mundo cujos lideres fossem seleccionados por psicotestes dum computador, ou invadido por homenzinhos verdes a duas dimensões que cuimavam e só queriam chatear a malta. Mas, com aquela polícia, com aquele cão mecânico que detectava sentimento de culpa pelo odor da transpiração e que atacava com um agulhão envenenado, não.
             Ambicionava a vinda de todos os cenários que lia. Governo Mundial com conselheiros psicossociólogos, passeios em barcos de areia nos canais de Marte a colher os frutos de cristal… Suportaria a luta pela sobrevivência num mundo pós-Grande-Estoiro, evitando os lagos fosforescentes à noite e lutando com mantas selvagens. Mas aquela sociedade não.
             Porque aquilo conhecia eu. Viver num mundo onde não houvesse nenhuma chance de encontrar uma avó a fritar filhós num sótão, com um primo que me emprestava Sturgeon , Simak ou Frederic Brown…
             Cresci.
             Quando chegamos á lua, estava eu em Luanda. Ouvi pela rádio o maravilhoso «The Eagle has landed» e desatei a rir de contente. Olhei para o quarto crescente grande, branco e puro tentando vê-los e sentindo a maravilhosa liberdade de ver o meu mundo estendido para as estrelas.
             Apreciei a maravilhosa ironia da rotina dos passeios Apolo. E piscava o olho às sucessivas aparições no mundo real dos meus velhos amigos dos livros mágicos da terra de ninguém. O laser, a engenharia genética, academias de parapsicologia…
             Entretanto, a terra de ninguém macadamizou-se. Os psicólogos (sem a educação anti Aristotélica que Van Vogt preconizava para a sua raça eleita) analisavam a educação, inventavam a  pedagogia, e descobriam nove factores contra quatro a favor da história da Branca de Neve.
             E os livros mágicos foram rareando, sem que ninguém os soubesse aproveitar (não ligues, Kubrick, isto não é contigo). Só certas formas de histórias aos quadradinhos… que começavam a ser estudadas, analisadas marxisticamente e higienizadas.
             E quando dou por mim, estou a viver num mundo de adultos. Aparentemente ao nível deles. Mas eles não gostam da imaginação. É subversiva ou reaccionária ou outra coisa qualquer. Mas é etiquetável seja lá como for. E distribuída racionalmente.
             O que é mais discreto mas tão eficiente como um lança-chamas dos colegas de Montag.
             E começo a sentir vontade de me juntar às bruxas de Shakespeare e aos fantasmas de Bierce e Põe à volta dum caldeirão fumegante e nauseabundo num mundo só sonhado, num canal de Marte, a fazer encantamentos com agulhas e bonecos de cera para mandar todos esses senhores anticépticos para as chamas do inferno.
             Mas é cada vez mais difícil sonhar. E eles já apagaram o inferno.

A. TOMÉ
 
Artigo da Revista: VISÃO - Para uma nova Banda Desenhada Portuguesa
Número 1, de 1 de Abril de 1975


terça-feira, 20 de novembro de 2012

Dito 42


Em formulação brasileira:

Estar o diabo feito vaca à porta do açougue


Aportuguesado:

Estar o diabo feito vaca à porta da leiteira

domingo, 18 de novembro de 2012

O Candelabro Sagrado


 
          …
         Rabi Eliezer, o «Puro e Sereno», foi o primeiro a tranquilizar-se, fazendo afectuosamente uma festa no rosto da criança.
          - Tu és um valente – disse, debruçando-se para o pequeno. - Tinha a tua mão na minha e não a senti estremecer. Queres que continuemos a conversar? Ainda não sabes onde vamos nem porque estamos a pé esta noite.
          - Conta… - murmurou o rapazito, com ligeiro tom de prece na voz.
          - Como te disse e te deves recordar, Tito, o maldito, tinha levado os nossos objectos sagrados para Roma e teve a vaidade de os mostrar, em espectáculo, a toda a cidade. Mais tarde, os imperadores romanos que lhe sucederam, depositaram a nossa menorah com as outras relíquias de Schelomo num edfício a que chamaram Templo da Paz. Frase insensata! Como se a paz pudesse durar e ter asilo neste mundo belicoso! Mas o Eterno não permite que aquilo de ornamento em sua própria casa, fique num templo estrangeiro; uma noite, Ele ateou um incêndio que consumiu o monumento, as estátuas e as riquezas que continha. Apenas o nosso candelabro escapou às chamas devoradoras. Foi uma nova prova de que nem o fogo, nem a mão criminosa dos homens podem nada sobre Ele. Deus adverte-os assim de que devem pôr os objectos sagrados no lugar santo onde os veneramos, unicamente pela sua santidade e não por causa do seu valor. Mas os loucos compreendem as advertências do céu, os corações endurecidos obedecem à razão? …
          Rabi Eliezer suspirou e prosseguiu:
          - … Eles agarraram no nosso candelabro sagrado e levaram-no, uma segunda vez, para outra casa do imperador: e como ele dormia lá, no fundo de um quarto bem fechado, pensaram em tê-lo ali guardado eternamente. Mas um bandido encontra sempre outro bandido que o ataca, e aquilo que se conquista pela violência perde-se pela violência. Cartago atacou Roma, como Roma assaltara Jeruscholajim. Pilharam-na como ela nos espoliara a nós; os seus santuários foram ultrajados como haviam sido os nossos. Mas os bandidos que tu viste lá em baixo, roubaram-nos também o nosso bem, o nosso divino candelabro, e os seus carros, que vão diante de nós, conduzem o que os nossos corações mais amam. Amanhã, embarcam-no e levam-no para outros céus, longe dos nossos olhos desolados; a sua luz nunca mais nos iluminará, a nós, que já somos velhos! Nós seguimos a menorah que nos deixa, como se acompanha na sua última viagem os despojos de um ente querido, para lhe testemunharmos a nossa afeição. Perdemos o que possuímos de mais sagrado: compreendes agora a tristeza da nossa missão?
          …

          
Excerto de:
            O CANDELABRO SAGRADO
            (O candelabro enterrado – 1937)
            Autor: Stefan Zweig (1881 – 1942)
            Tradução de Alice Ogando
            Livraria Civilização – Editora
            3ª edição, 1947
 
Triunfo de Tito, detalhe do Arco de Tito. Roma
 
Imagem daqui





sábado, 17 de novembro de 2012

Menorah


Reconstituição da Menorah original do Templo - (Sete braços/lamparinas)
 

 

Hanukkah menorah também denominado Hanukkiah, usado na festa judia do Hanukkah
(Nove braços/lamparinas, em que a do centro não está alinhada com as outras)


Imagem daqui
 


quinta-feira, 15 de novembro de 2012

Besouros, e coisas assim


           Ontem, enquanto via as imagens do que se passava em frente do parlamento, até a mim me doeu! Uma linha de polícias fazia barreira nas escadas, evitando que uma turba as subisse, enquanto aguentava os impactos de pedras da calçada e todo o tipo de objectos arremessáveis que iam pejando os degraus a seus pés. Lembrei-me do efeito que tem o impacto de um pequeno besouro na viseira de um capacete. Quando se passeia de mota, mesmo a velocidades baixas como sejam uns cinquenta ou sessenta à hora, qualquer choque de um pequeno “voador”, no capacete ou na viseira, provoca um estalo assustador; isto quando estamos com sorte, porque se o impacto se dá no rosto ou no pescoço, até se vê estrelas!
          Hoje, no fim da intervenção que o presidente da república fez na conferência da COTEC, “Mar de Negócios”, foi abordado por uma quantidade de jornalistas, todos na ânsia de o fazer falar, ligados às redacções por fios e feixes de ondas, sem capacete, sem tempo e sem uma data de coisas, boa parte deles, que se as tivessem até seriam bons jornalistas, o bom senso por ex.
          Por um momento, veio-me à ideia a cena de Caco Silva num aperto de campanha eleitoral, empunhando o microfone que um jornalista lhe havia franqueado, esgueirando-se por baixo das mesas de um café e a relatar o que fazia, na terceira pessoa. Por outro momento, tive a esperança de que quando lhe perguntaram se não achava que a polícia tinha agido (ontem em S. Bento) com excesso de força, ele retorquisse:
          - A senhora nunca andou de mota?

          Estou confiante que isto vai melhorar, mas tenho a certeza que para que isso aconteça, será preciso que um certo discurso, de uma certa esquerda, parvo, libertinário, desconexo, etc., seja deixado de vez. Quando os escaravelhos forem tratados como escaravelhos, as pedras como pedras e as pessoas como pessoas, isto vai melhorar.

Não me perguntes porquê


 
          Revista VISÃO ( Para uma nova banda desenhada portuguesa)
          n.º 1 - 1 de Abril de 1975

quarta-feira, 14 de novembro de 2012

Para mudar de assunto



          Sr. L,
          não permito que seja para mim
          o zahir do Borges.
          Agora tinha em mente
          uma representação da sua mitose;
          uma transformação da sua fronte
          em estilo Francis Bacon;
          e outra em que lhe poria
          a cabeleira do Andy Warhol
          e um namorado preto –
          - o Basquiat, claro!
          Depois, representá-lo num altar

          pagão, a oficiar um ritual vodu
          e a aspergir tudo com bourbon…
          A seguir, desenhar um grafismo
          da progressão geométrica
          dos quadrados;
          mostrar quantos seríamos
          se todos deixassem
          dois em seu lugar!
          Deslargue-me.

segunda-feira, 12 de novembro de 2012

Pluralidade




TPC:
Pluralidade Democracia ditada Pluralidade Necessidades são direitos Pluralidade Minoria significativa Pluralidade Verdade única Pluralidade Partido director Pluralidade Pluralidade Pluralidade.

Escrever Mil vezes, sejam felizes.

Mostrar AMANHÃ

Super Pop



                    Super Pop Louçã

quinta-feira, 8 de novembro de 2012

Visão (BD)


 

          Em 1985, ainda a feira do livro do Porto era na Boavista, lá comprei os doze primeiros números encadernados da revista de “BD” portuguesa: VISÃO. Na altura era para mim uma novidade; a publicação remontava a 1975, quando eu era um puto da província com dez anos. Iam portanto decorridos outros dez anos, desde que a revista aparecera, e ficou logo muito claro que o progresso do país tinha sido, entretanto, enorme. Tudo parecia muito parvo, como ainda me parece o clip “olha o robot” da Lena D’água!
          O primeiro número data de 1 de Abril de 1975, saía nos dias 1 e 15 de cada mês e custava 20 escudos.
          "VISÃO – PARA UMA NOVA BANDA DESENHADA PORTUGUESA – Edições EDIBANDA", dizia contar com a participação crítica dos leitores: Contamos contigo – a tua visão é fundamental.
          Vou passar a trazer umas pranchas e páginas inteiras de Loucura, Loucura, própria do pós-revolução de Abril.

 

sábado, 3 de novembro de 2012

O Aleph


… Não se dirá melhor o que ali se disse. Além do mais (e talvez isto seja o essencial das minhas reflexões), o tempo, que despoja as fortalezas, enriquece os versos. O de Zuhair, quando este o compôs na Arábia, serviu para confrontar duas imagens, a do velho camelo e a do destino; repetido agora, serve para recordar Zuhair e para confundir os nossos pesares com os daquele árabe morto. Dois termos tinha a imagem e hoje tem quatro. O tempo amplia o âmbito dos versos e sei de alguns que, como a música, são tudo para todos os homens. Assim, atormentado há anos em Marrakesh com saudades de Córdova, comprazia-me em repetir a apóstrofe que Abdurrahman dirigiu, nos jardins de Ruzafa, a uma palmeira:

 
                   Tu também és, ó palmeira!,
                   Estrangeira neste solo…

 
        Singular benefício da poesia: palavras escritas por um rei que desejava o Oriente serviram-me a mim, desterrado na África, para a minha nostalgia de Espanha.
          …
Excerto de “A BUSCA DE AVERRÓIS”
 
 
 
Editorial Estampa - Ficções, n.º7
 

sexta-feira, 2 de novembro de 2012

Fiéis

 
 
 

Pitões das Júnias

 
               Nada mais nostálgico do que um pequeno cemitério de um mosteiro fechado há muito tempo, morto também ele – o cemitério – deixado na paz de entre muros altos, mesmo com as espreitadelas tímidas dos vivos, pelo portão de ferro, ou do alto da encosta.


 

sexta-feira, 26 de outubro de 2012

não sou eu





          Desde Dezembro, antes do Natal que não faço nada. Piorei da minha doença, tive de ficar de cama durante um mês, numa inactividade completa. Levantei-me enfim, mas por alguns dias apenas, porque o frio me obrigou de novo a ficar na cama.
          Entretanto, pelo Adalberto, mandei comprar folhas soltas para escrever e para desenho. As folhas chegaram há dias. Eu estava a pé nessa altura… E logo me assaltou uma fúria imensa pelo desenho. Comecei, fiz alguma coisa mas tive de parar.
          Como eu desejaria nesta altura uma saúde de ferro só para poder desenhar à minha vontade, horas e horas sem descanso, até à exaustão! Em vez disso, porém, estou na cama e todo o meu labor se limita a desenhar no vácuo pelo pensamento que não pára, numa sucessão de imagens por vezes tão claras, tão nítidas, que é impossível que alguma coisa não fique em mim para dar fruto num futuro melhor.
          Oh! O que eu sonho de desenhos e de pinturas! E de que forma me ultrapasso e supero neste desenhar e pintar mental! É uma doidice deixar-me arrastar assim, consentir que de tal forma me empolgue a imagem aliada á ideia do que farei … Pois se eu sei que não sei nada! Se mais do que isso eu sei que não posso nada! Como suster, porém, a torrente que brota, que esguicha do meu cérebro livre de distracções por esta quietude de corpo em que estou?
          Em certos momentos, convicto da impossível altura a que pelo pensamento me guindei, fecho as comportas, ponho um tampão neste sonhar louco… Mas de que vale? Daí a nada tudo salta em estilhar; uma nova ideia entra a germinar, a roer… E não sou mais eu quem pensa: é alguém no ar, seguindo a ideia, que se dilata, cresce, atinge proporções descomunais, qual bola de neve rolando do cimo do monte. Entretanto, eu sei, bola de neve ou ideia terão fim idêntico: ou pelo caminho as despedaça um obstáculo imprevisto, ou acabarão seus dias no fundo do precipício onde as forças da natureza ou a realidade da vida as levou…
          Sei isto e no entanto continuo a pensar coisas fantásticas, todo nas nuvens, feliz, de uma felicidade de criança grande, para quem o desmoronar de todo um sonho não é mal maior nem desgraça tão forte que lhe roube a faculdade de pensar, de fantasiar de novo, e sempre mais alto.


                                                        Freamunde, 12 de Fevereiro de 1960
 
João Fernando Correia de Moura (26/0871931 – 18/06/1964)
Autor Freamundense
Prefácio de: José Carlos de Vasconcelos
Edição - Câmara Municipal de Paços de Ferreira
Freamunde, Novembro de 2009

quarta-feira, 24 de outubro de 2012

Europa ISO


Já escrevi este texto várias vezes e de diferentes formas. Tem resultado invariavelmente num desabafo, incluído sempre palavras duras e grosseiras, longo, longo demais, desfocado e denunciador de um espírito humilhado, ofendido, em grito de socorro ou de vingança. Lido no fim da escrita corrida e compulsiva, vejo-me exposto, revejo-me num dos meus piores ângulos, não gosto, e enjeito-o.
            Hoje tento mais uma vez. Alinhei como que um guião, em que me vejo a mim próprio a falar – não posso ser longo, devo refrear a ira, manter a compostura, e essencialmente, ser conciso.
            Quero dizer que a responsabilidade pelo estado miserável em que se encontra a maior parte da Europa, é de quem se arroga, há muitos anos, da sua condução. Refiro-me à comissão europeia e ao parlamento europeu. Acresce, que as instituições referidas, são dotadas dos meios que entendem como suficientes, têm sido depositárias da confiança cega dos governantes dos diversos países, têm largos meios de coacção sobre os membros e têm capacidade de determinação sobre os mais ínfimos pormenores que condicionam as decisões das pessoas e das empresas.
            Neste novo mundo, dos oficiais do ministério da economia substituídos por polícias de cara tapada e armados até aos dentes, dos programas de gestão de recursos empresarias (vulgo ERP) certificados, do cruzamento de dados informáticos, do fim do sigilo bancário, das escutas telefónicas generalizadas, dos observatórios para tudo e para nada, dos institutos de estatística a quem o fornecimento de dados é obrigatório, etc., sabemos pelo menos, triste consolo, a quem apontar o dedo.
            Na fúria do controlo absoluto, a standardização, que no velho mundo foi tão construtiva, neste novo mundo europeu, passou a ser um dos instrumentos mais violentos de “escuta” e vigilância, e dos piores meios de controlo policial dos agentes económicos. A certificação da qualidade, nas pequenas e médias empresas, passou a ser, por um lado, uma enorme intrusão nas melhores atenções dos principais recursos humanos, por outro, um esvair insanável de recursos, e por outro ainda, criadora de imensos postos de trabalho não produtivos – os alimentadores do sistema – e de toda uma leva de profissões adstritas ao circo, mas economicamente insustentáveis.
            Já trabalhei numa empresa familiar de administração clássica (autofinanciada), que não subsistiu à concorrência com as outras que se financiaram na banca e absorveram apoios comunitários – o acesso aos apoios comunitários dependia de processos encriptados, incluía o agigantamento dos projectos e sobrevalorização dos equipamentos, incompatíveis com empresas sérias.
            Já trabalhei numa empresa certificada (ISO 9001) que viu o Infarmed retirar-lhe o certificado CE de produção e colocação no mercado de dispositivos médicos e dar-lhe ordem de recolher tudo – tudo – o que estava no mercado (o que provocou a falência fulminante), na mesma semana – mesma semana - em que obteve a renovação da certificação da qualidade (?).
            Já trabalhei numa empresa de comércio de dispositivos médicos, certificada ISO 9001, que não tinha antes de mim, ninguém que soubesse o que era o Infarmed. O Infarmed também não sabia que a empresa existia (ou sempre se comportou como tal).
            Já trabalhei numa empresa de mobiliário com uma implantação oficinal e sem um organograma definido, com uma parte da mercadoria facturada e outra (sem embalagem), com os salários pagos em cheque da empresa mais um envelope, que estava a implantar um sistema ERP completo e em processo de certificação!
Sempre que escrevo a palavra ISO no meu computador, ele corrige-me automaticamente para ISSO. Já poderia ter corrigido esse comportamento sobranceiro e incómodo da máquina, mas mantenho-lhe esse traço de personalidade. Passei a admitir naturalmente, que esta máquina desenvolveu capacidades emergentes de inteligência artificial, não desdenho totalmente dos desígnios do acaso, assim, continuo a permitir-lhe certas liberdades.
           Porque “Internacional Organisation for Standardization” dava origem a diferentes acrónimos nas diferentes línguas, foi decidido usarem a sigla ISO, que deriva do grego “isos” e significa “igual”.
Por estes dias, permite-se a venda de produtos alimentares fora do prazo de validade, a preço mais baixo, e ISSO passa-se na Grécia. Isso, e o mais que está para vir. É por isso que quando digito ISO e o meu computador me corrige para ISSO, eu leio – é isso, é isso – andamos todos a ter de deixar “evidências” do que registamos, de forma imposta, em inumeráveis documentos internos de registo, e o que temos à evidência é esta miséria. A esta Europa premiada, gostava eu de dizer – que descanse em paz!  

JMP

sábado, 20 de outubro de 2012

Saudade


           Saudade, é um mal de que se gosta, e um bem de que se padece.


Palavras de D. Francisco Manuel de Melo (23/11/1608 - 24/08/1666)
Desenho de Alice Rey Colaço (1893 - 1978)


sexta-feira, 19 de outubro de 2012

Alice Rey Colaço



Alice Schmidt Lafourcade Rey Colaço (1893 – 1978)
Pintora, aguarelista, ilustradora
Segunda das quatro filhas de Alexandre Rey Colaço e Alice Schmidt C. Lafourcade
(Jeanne, Alice, Maria Adalgisa e Amélia)

Mais sobre Alice Rey Colaço aqui




Pão para o fogo



Transcrição da legenda:
  Aumentar  o preço do pão é agitar uma sociedade, é activar labaredas. O pão atirado assim para o forno da miséria é o peor dos explosivos

Da Revista ABC, Agosto de 1922 (A imagem com a respectiva legenda aparece sem qualquer texto ou outro enquadramento)

quinta-feira, 18 de outubro de 2012

Velhos gritos do Portugal ocupado


L. P.  DE  O.  PINTO  DA  FRANÇA

SONETO

improvisado junto ao tumulo del rei D. Afonso Henriques,
pelo brigadeiro das tropas de Coimbra, no dia
em que Junot dissolveu o corpo do Exército
Português.

                                   A teus pés, fundador da Monarchia,
                            Vai ser a lusa gente desarmada!
                            Hoje rende a traição a forte espada
                            Que jamais se rendeu á valentia.

                            Oh! Rei! Se minha dor, minha agonia,
                            Penetrar pôde sepulcral morada,
                            Arromba a campa, e com a mão mirrada
                            Surge a vingar a affronta  d’este dia.

                            Eu, fiel qual te foi Moniz, teu pagem,
                            Fiel sempre serei: grata esperança
                            Me sopra o fogo d’immortal coragem.

                            E o pranto, que a teus pés minha dor lança,
                            Recebe-o, grande Rei, por vassalagem,
                            Acceita-o em protesto de vingança.

do Cancioneiro de Coimbra (de Afonso Lopes Vieira)

segunda-feira, 15 de outubro de 2012

Maria Madalena


Maria Madalena é uma figura bíblica incontornável. Entre a Maria Madalena mundana e depois arrependida, à santa Maria Madalena que segundo S. João é a primeira a falar com Jesus após a ressurreição, pode não haver qualquer relação. Não há nas escrituras nada que identifique Maria Madalena com a prostituta arrependida que se prostra aos pés do Messias.
  As referências a Maria Madalena na Bíblia são poucas, assim, a personagem adquire um largo grau de liberdade; associado ao facto de ser “apanhada” no centro da história, e sendo mulher, e Maria, e jovem, (…), tornou-se uma imensa fonte de inspiração. Maria Madalena, de certo modo, está viva. Em boa medida, a sua proximidade ao acontecimento da Ressureição imortalizou-a também a ela.
Das representações dessa mulher, que conheço, há duas que me tocaram desde o primeiro contacto. Num caso e noutro, as esculturas possuem de forma imanente o espírito do que representam, e são, para mim, dos melhores exemplares dessa forma de expressão artística.
Uma é loura, outra é morena, ambas têm os cabelos longos, são uma só!



Museu do Louvre - Ala Denon
Atribuída a Gregor Erhart (1470 – 1540)
Datada entre 1515 e 1520   
 
Igreja de Santa Maria – Bragança
Atribuída a Pedro de Mena da Escola de Valhadolid
Séc. XVII